« Voltar

"O nosso trabalho foi indispensável e desafiador"

Assistente social da Marcha Pela Cidadania e Ordem, Natali Moura Vasconcelos é servidora da Casa Civil

Natali Moura Vasconcelos, de 28 anos, é formada em Serviço Social desde 2016 pela Universidade Unigranrio e atua como assistente social na Marcha pela Cidadania e Ordem – programa da Secretaria de Estado da Casa Civil (SECC) – desde dezembro de 2019. Sua trajetória profissional começou como estagiária em Mesquita, na Baixada Fluminense, na Casa Abrigo para Adultos e Idosos Andréa Guimarães, onde atendia a população em situação de rua. Desde então, ela sabia que estava no caminho certo. 

Há oito meses, Natali começou a trabalhar para o Governo como assistente social dentro do Programa Marcha pela Cidadania e Ordem, que atua resgatando a cidadania e viabilizando o acesso aos direitos da pessoa em situação de vulnerabilidade social.

“Trabalhar na Marcha requer comprometimento profissional, um olhar atento, crítico, reflexivo, humano e interventivo diante das demandas. Nós assistentes sociais trabalhamos na perspectiva da promoção da cidadania e buscamos, como o nosso trabalho, viabilizar a garantia de direitos”, ressaltou a assistente social.

Segundo relatou Natali, no período de pandemia o número de pessoas em situação de rua cresceu. E por isso é fundamental o trabalho dos assistentes sociais atuando na linha de frente junto à população. Nas missões diárias, estes profissionais mostraram empatia, sensibilidade e solidariedade ao realizarem doações aos mais vulneráveis mesmo durante o isolamento social.

’’Durante a pandemia da Covid-19, o nosso trabalho foi indispensável e desafiador. O medo da contaminação e as incertezas eram constantes, portanto a proteção é extremamente importante: a equipe usa EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e descartáveis, como luvas, máscaras e álcool gel. Em tempos de pandemia, seguimos o código de ética profissional que, no art. 3°, fala da necessidade de participar de programas de socorro à população em situação de calamidade pública, no atendimento e defesa de seus interesses e necessidades’’, explicou a assistente social Natali.

Texto e foto: SECC